Esta é uma coluna em que não moradores do Coque são convidadas a compartilhar reflexões sobre situações em que tenham falado sobre o Coque ou pelo Coque.

Uma das coisas mais importantes na criação do Museu é o fato dos moradores com ele tomarem para si a voz que conta a história do Coque. Isso é feito contra alguma coisa: a narrativa hegemônica produzida fora do Coque que o tem condenado à estigmatização. Esta coluna é proposta a partir do entendimento que esta narrativa cala ou abafa também outras vozes. Procura-se outras nuances do falar do Coque por pessoas que não moram aqui e, especialmente, abrir espaço para a reflexão sobre esse lugar de fala.

O que leva essas pessoas a falarem do Coque? Que perguntas elas se fazem sobre como e por que fazer isso? Como e em que medida elas se autorizam? Como constroem essa fala? Como se sentem ao fazê-lo? O que isso muda no seu jeito de estar no mundo, de olhar e falar das outras coisas? Como são ouvidas dentro e fora da comunidade? Essas são perguntas que a coluna faz para iniciar conversas sobre o falar do Coque de vem de outros lugares.